Um dia feito de vidro… num possível futuro

Os vídeos seguintes não são recentes, mas ainda são muito incríveis! A empresa Corning produz vidros e cerâmicas de ponta e atualmente investe em novas tecnologias pensando num futuro onde um pedaço vidro pode ser interativo, muito interativo. De uma olhada no que a empresa anda imaginando.

Incrível não?!

Eles ainda criaram este outro vídeo (abaixo) onde um narrador explica quais tecnologias são possíveis, estão quase lá ou ainda continuam nos sonhos dos pesquisadores, assista:

O futuro do Google

Google, o que seria dos internautas sem você? Um monte de usuários perdidos com grande dificuldades em encontrar informação? Ou será que teríamos encontrado outras formas de viajar no ciberespaço? Ainda bem que o Google existe…

Antes de falar do futuro dos serviços Google, vamos falar do passado…

O Passado do Google…

Vou tratar brevemente a história do Google…

Existiam outras ferramentas de busca antes do Google? Sim, estas ferramentas de busca exibiam resultados classificados pela contagem de quantas vezes os termos de busca apareciam na primeira página, diferente do que os criadores do Google imaginavam.

Em janeiro de 1996, Larry Page e Sergey Brin começaram o projeto de pesquisa para seu doutorado na universidade de Stanford (California, sempre California). Os dois teorizaram sobre um sistema de busca na web que analisava as relações entre os sites. Eles chamaram esta nova tecnologia PageRank, onde a relevância de um site era determinada pelo número de páginas, bem como pela importância dessas páginas, que ligavam de volta para o site original. Eles apelidaram sua nova ferramenta de busca de “BackRub”, e futuramente o nome passou para Google, que se refere a um erro ortográfico da palavra “googol” (número um seguido por cem zeros).

A ferramenta de busca conseguiu desbravar a internet, trazendo resultados mais relevantes e extremamente rápido, ganhando a preferência do internauta através do mundo. A palavra Google até entrou no dicionário, cujo significado é “usar o motor de busca Google para obter informações na Internet.”

A partir dai, só alegria. A Google abriu a empresa, ofertas publicas, integrou, criou e comprou outros serviços e virou o gigante que conhecemos hoje.

Veja a história completa Aqui.

Google amanhã

Hoje, temos não só uma ferramenta de busca, temos uma ótima caixa de e-mails, um grande acervo de vídeos, imagens e sites conectados com um jornal pessoal (reader), sem contar todos os outros serviços (Docs e o Android).

Nas 2 ultimas semanas vimos o Google+ (vou tratar como G+) se apresentar com o melhor das redes sociais na internet, que muitos (até eu) acreditaram que seria guerra declarada contra o gigante Facebook. A diferença entre o G+ e Facebook está nos serviços, o que apoia minha discussão do futuro da gigante de busca e quebra o conceito de guerra entre as redes sociais. O G+ não é apenas uma rede, como o Facebook, é uma rede extremamente conectada com todos serviços, o que nos leva a discussão “Google amanhã”.

O futuro do Google pode ser resumido em uma palavra: Interação, a interação entre todos os serviços Google em qualquer lugar da web. Essa é a ideia, estar conectado com tudo e todos na web no mesmo lugar, este é o Google de amanhã.

Possibilidades e fatos:

  • Os serviços vão passar por um Rebranding, por exemplo, picasa e blogger passam a ser Google Photos e Google Blogs;
  • Integração e interação melhorada entre Celulares, Tablets e Computadores, principalmente com Android;
  • Agregar novos serviços, compra-los ou desenvolve-los, (Google Shops por exemplo);
  • Sistema operacional Google nas nuvens gratuito;
  • Políticas de privacidade mais flexíveis, deixando o usuário escolher o que os robôs do Google podem acessar;
  • Informação inteligente, acumulando dados de cada usuário e exibindo sites, blogs, fotos, videos, locais e pessoas que ele poderia gostar(menos privacidade, mais informação inteligente).

e você, o que gostaria de ver no Google?

Google+ em números

A poucos dias vimos o Google+ abrir as portas para usuários. Mas como está a nova rede social da Google? Observe alguns números:

  • Mais de 10 milhões de usuários
  • Mais de 1 bilhão de itens compartilhados
  • 550.000 aparelhos com Android instalam o aplicativo do Google+ por dia

Os números ainda não são tão promissores se comparados com os 750 milhões de usuários do Facebook, mas extremamente impressionante para tão pouco tempo.

Desde que o Google apresentou o Google+, no final de junho, as ações da empresa acumulam alta de cerca de 11%. Com certeza os números vão atrair investidores.

A Google também anunciou que sua receita subiu 36% no segundo trimestre, com lucro liquido de U$2,51 bilhões. Bastante dinheiro né?

A propósito, meu Google+ é gplus.to/brunomore

Zuckerberg é o mais seguido no Google+

Pois é, Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, é quem vence em popularidade no Google+. Zuckerberg tem 10 mil contatos a mais que o CEO da Google, Larry Page. 

Zuckerberg, que admitiu recentemente que possui uma conta Google+, tem apenas 68 amigos no Google+, mas seu número de seguidores chega perto dos 30 mil, de acordo com a ferramenta SocialStatistics, criada pelo site The Next Web. Em segundo lugar fica o CEO da Google, Larry Page  com cerca de 20 mil seguidores.

Segundo o site Metro, Zuckerberg escreveu ao blogueiro de tecnologia Robert Scoblem:  “Não entendo por que as pessoas estão tão surpresas por eu ter uma conta no Google+”, disse o CEO do Facebook. Segundo o Metro, Zuckerberg não é o único fundador de redes sociais que já estão usando o serviço do Google. Evan Williams, do Twitter, Reid Hoffman, do LinkedIn, além dos fundadores do Flickr, Caterina Fake, e do MySpace, Tom Anderson.

via tecnologia.terra.com.br

Bom, os CEOs não poderiam deixar que analisar o Google+, que promete com alarde ser “o grande campeão das redes sociais”.


Adeus Picasa e Blogger!

De acordo com o site Mashable, você pode dizer adeus aos nomes Picasa e Blogger. O Google pretende aposentar várias marcas não-Google e renomeá-los como produtos do Google.

O movimento é parte de um esforço maior para unificar a sua marca para o lançamento público do Google +, iniciativa social da gigante de busca.

Blogger e Picasa não estão indo embora, é claro – eles são dois dos produtos mais populares do Google. Em vez disso, de acordo com duas fontes familiarizadas com o assunto, o Google pretende renomear o Picasa para “Google Photos” e o Blogger irá tornar-se “Google Blogs.” Várias outras marcas Google são suscetíveis de serem afetadas, com exceção do YouTube que ficaria fora da mudança. A gigante da tecnologia vai desligar o Google Video, o seu serviço de vídeo que decepcionou usuários.

A mudança não é sem precedentes; A Google adquiriu a JotSpot em 2006 e renomeada como o Google Sites, em 2008. Em 2007, o Google adquiriu VOIP plataforma GrandCentral e relançado como Google Voice em 2009.

Picasa e Blogger também foram aquisições do Google, embora ambas as empresas compõem parte do império por muito mais tempo. Picasa foi adquirida em 2004 e Blogger (co-fundada por Evan Williams do Twitter) foi adquirida em 2003 e é um dos top 10 sites mais visitados no mundo. Embora o “rebranding” poderia perturbar alguns clientes já existentes, também dá ao Google a possibilidade de integrar completamente os dois serviços no Google +.

De acordo à informantes de grandes jornais internacionais, o “rebranding” pode levar 6 semanas, junto ao lançamento do Google+ ou no dia 35 de julho, data é importante porque é o dia onde todos os perfis privados do Google será deletados.

Via Mashable.com

E agora hein? O gigante Google parece que vai passar por grandes mudanças e o Google+ realmente está sendo uma grande aposta.

Google+ A nova rede social do Google

A Google começa a batalha com o Facebook, o que já era tempo. Sua aposta é o novo projeto Google+, anunciado dia 28 de junho 2011 (ontem). Confira o vídeo com uma prévia abaixo.

Circles, organização de amigos no Google+

O Google+ conta com diversas funcionalidades, tais como vídeo conferência, upload automático de fotos e conteúdos recomendados por interesse. A interface ficou excepcional, bem melhor que a bagunça do Facebook, cheio de interatividade e serviços que só a Google pode fornecer.

 

A versão de teste já está disponível, mas apenas para quem receber o convite, onde você pode concorrer no site oficial, participe e, quem sabe, consiga um convite.

Quer conhecer o projeto, acesse este link.

Eu particularmente estou maravilhado com o Google+, mas quem será que ganha essa batalha? Agora é a guerra das redes: Facebook x Google+

A casa do futuro

Imagine-se controlando sua casa inteira por seu aparelho celular ou tablet. Controlando não apenas sua iluminação e sistema de ar condicionado, mas também a temperatura do chão do banheiro, qual musica tocar no sistema de som da casa e ativar o aspirador de pó a vácuo. Controlar e curtir sua biblioteca de filmes e músicas em qualquer canto da casa, receber informação de temperatura e notícias no espelho do banheiro, encontrar os ingredientes daquela receita e ainda ser alertado quando algo está acabando em sua geladeira. Essa realidade começa a ficar cada vez mais acessível no mercado e promete ainda muito mais.

O vídeo a seguir mostra uma residência integrada ao iPad, da empresa Aloud.

Existem também outras tecnologias sendo desenvolvidas que poderão compor ainda mais essa casa do futuro, é o caso da Daylight Window da Philips. A ajnela responde a gestos mudando de cor e interferindo a passagem de luz com diferentes padrões.

A arquiteta Simone Goltcher na casa cor 2008 decorou o ambiente da cozinha, onde idealizou uma cozinha prática com controle de voz, confira o vídeo.

Vamos esperar que isso se torne cada vez mais acessível, afinal um controle remoto que comande a casa inteira parece um sonho.

Computador e Mente, uma conexão

Você já imaginou poder navegar no computador apenas pensando? Sem teclado nem mouse, apenas pensamentos. Pois bem, algumas companhias já estão tentando desvendar nosso cérebro para encontrar esta conexão com as maquinas, intitulado por BCI (brain computer interface).

Olhando bem para os experimentos BCI, parece que estão muito longe de alcançar uma integração completa, mas os resultados já agradam. Abaixo segue um vídeo que demonstra o produto da empresa Emotiv. *caso queira ver a coisa funcionando de vez, pule para 4:32 no vídeo.

É realmente muito interessante ver tal avanço, mas ainda muito cedo para falar do assunto. Como a apresentadora fala, existem muitos padrões cerebrais para serem identificados e varia de pessoa para pessoa, como uma digital, mesmo em gêmeos idênticos.

Ferramenta da empresa Emotiv, que capta as ondas cerebrais.

Um avanço, com certeza! Em breve, essa tecnologia pode trazer para pessoas com dificuldades motoras a devida interação homem-computador, representando uma acessibilidade formidável. Olhando para um futuro mais distante, podemos imaginar infinitas possibilidade que tal ferramenta pode trazer, não apenas para um computador, mas para a tecnologia como um todo. Imprimir uma idéia na tela do computador, transformar sentimentos em cores, dirigir um carro… realmente, parece algo um pouco exagerado por hora, essa tecnologia promete.

Obs: O único problema é esse capacete, mas controlar o computador sem ele parece algo exigente por demais.

Computadores nas nuvens, um futuro interessante?

Ilustração da computação em nuvem

Discutir sobre o futuro da Cloud Computing parece muito interessante, dar acesso as calsses socias mais baixas à um computador e internet, o fim da pirataria de softwares e o acesso a todos seus dados e arquivos em qualquer lugar. Realmente é gostoso imaginar seu computador, com todos seus arquivos e softwares em qualquer lugar. Mas será que isso é interessante para as gigantes fabricantes de Hardware e Software?

É fatídico que os computadores e acessos vão alcançar boa parte da população mundial, vendo estes computadores básicos que acessam a nuvem em quantidades absurdas, mas fora esses computadores básicos, a onde fica a venda das placas de vídeo, hard disks, memórias RAM e etc? Seriam limitados às nuvens, os grandes servidores que aglomeram esses computadores para seus usuários, que aumentam sua capacidade conforme a necessidade de cada usuário específico, que diminui ainda mais a necessidade de hardware.

Observando o caso dos Softwares, a coisa fica feia. Estes softwares vão adquirir uma guerra imensa com concorrentes, pois todos os programas do mesmo segmento estrão disponíveis para o usuário, dependendo do gosto de cada pessoa, criando uma guerra para ganhar usuários, que se depender dos métodos atuais (publicidade, marketing, etc), teremos softwares mais e mais caros.

A ideia é realmente maravilhosa, mas as gigantes do mercado vão achar alguma forma de ganhar dinheiro (e muito, é claro), afinal, perder dinheiro ainda parece muito pior que perder usuários.

Estamos no começo da computação em nuvem, ainda existe muita coisa para acontecer. É fato que a nuvem vai invadir nossa vida, mas o que me preocupa, são os preços que softwares podem chegar sem a pirataria, e quantas empresas de hardware vão se sujeitar a essa nuvem.